Cassino Royale ganha adaptação em graphic novel

0

O escritor Van Jensen adaptou o livro Cassino Royale para uma graphic novel. Com desenhos de Dennis Calero, a publicação já está à venda e mostra a primeira aventura de James Bond, que foi publicada em 1953 por Ian Fleming.

Por ser baseado no livro, os fãs dos filmes podem esquecer as gadgets e mulheres fatais tão associados ao personagem e sim o cinismo das obras literárias. “É um produto sombrio, de alguém que viu os horrores da Segunda Guerra Mundial, sobreviveu e entrou em um perigoso novo mundo”, explicou Jensen ao Artsatl.

Jensen, que já escreveu séries como Pinóquio, Vampire Slayer e para a DC, foi convidado a adaptar 007 – Cassino Royale pela editora Dynamite, que não ficou satisfeita com as HQs criadas desde que comprou os direitos de publicar novos quadrinhos dos personagens. “Foi desafiador, afinal muito texto não faz bons quadrinhos”, completou.

Ele teve cuidados para evitar o sexismo e a misoginia do livro. “Não há nada sexy em se aproximar de um ponto de vista masculino e burro; é apenas sem noção e nojento”.

Uma mudança que ele fez foi nos capítulos em que Bond vai para o hospital após ser torturado por Le Chiffre, pois, segundo Jensen, “não tem nada menos visualmente interessante é alguém sentado na cama do hospital, conversando com as pessoas”. Ele criou duas páginas que mostra Bond refletindo. “É um exemplo de quando você tem restrições narrativas realmente rígidas, estimula a criatividade. E esse é um exemplo de como os quadrinhos podem fazer coisas que outras mídias não conseguem. Essa é a minha parte favorita de todo o livro e uma das melhores coisas que escrevi”, disse.

O escritor é fã de James Bond desde os 13 anos, quando assistiu 007 Contra GoldenEye, em 1995. “Eu e meu primo decidimos assistir todos os outros filmes de James Bond na ordem”, afirmou. Assim como outros fãs, ele tem o ator favorito no papel de 007. “Roger Moore é um dos meus favoritos. Eu nasci no meio do nada e encontrei nos filmes dele algo tão colorido e absurdo. É puro escapismo”, disse.

E Jensen não para por aí. Ele já está fazendo a adaptação de Com 007 Só Se Vive Duas Vezes.

Sobre o Autor

Bruno Porciuncula

Jornalista, crítico de cinema e criador do blog de viagens A Volta ao Mundo em 80 Filmes (www.avoltaaomundoem80filmes.com.br). É fã de James Bond desde que assistiu "007 Contra o Foguete da Morte" (claro que alguns anos depois de lançado hehehe). Tem tatuado "Live and Let Die" em homenagem ao filme que considera o melhor - pau a pau com "Goldfinger"