Confira o primeiro review brasileiro de "Carte Blanche".

4

O leitor e fanático por James Bond, Tiago Bertasso, adquiriu logo no lançamento o mais novo livro de James Bond, “Carte Blanche”, escrito pelo americano Jeffery Deaver. Como o livro será lançado pela Editora Record no Brasil apenas no ano que vem, Tiago resolveu ir atrás, e importou seu exemplar. Ele nos conta agora o que achou do livro, no primeiro Review brasileiro do livro. Confira…

“Acabei de ler o “Carte Blanche”, o novo livro de James Bond. Ele chegou semana passada e o li todo em mais ou menos quatro dias. Sendo assim, eu considero o livro um verdadeiro page turner. A história têm em torno de 430 páginas, mas as letras não são das menores. Senti que o livro tem um certo respeito pela série original, mas foi totalmente repaginado para que Bond estivesse ambientado nos tempos modernos. Algumas licenças contemporâneas foram adotadas, mas as menções à série original lembram sim os livros de Ian Fleming.

POSSÍVEIS SPOILERS

Visão Geral

Primeiro, algo que foi fruto de muita especulação: Bond no MI6? Mais ou menos. Ele trabalha numa sub-organização do MI6, a ODG (Overseas Development Group). Dentro dessa organização existe a nossa amada “Seção 00”. Os agentes respondem diretamente a “M”, o velho Sir Miles, mas que agora tem um celular e cachimbo, e o Chief Of Staff continua sendo Bill Tanner. Bond tem a sua velha secretária, Mary Goodnight, mas Monneypenny também têm a sua participação. 007 usa uma Walther PPS, arma um pouco menor do que a Walther P99, e dirige um Bentley GT esportivo, mas também tem um Jaguar na garagem. May, a famosa empregada de Bond nos livros de Fleming, é brevemente citada. A “Q-Branch” é comandada por um oriental, justamente, na minha opinião. Ele adora um desafio e existem muitos gadgets para o agente no livro.

A História

O SIS recebe a informação sobre um possivel ataque que irá acontecer dentro de alguns dias. O ataque afetaria seriamente os interesses britânicos, e James Bond é chamado para investigar. Ele chega até um mega-empresário do setor de reciclagem, Severan Hydt, com o histórico típico de vilão de Bond. Rico da noite pro dia e com passado obscuro. Ele tem uma queda por destruição, adora ver corpos em decomposição e tem unhas macabras. Durante a sua investigação, Bond segue o empresário e seu capanga, o frio e calculista Dunne.

O título do livro, “Carte Blanche”, ou “Carta Branca” em tradução literal, vem justamente das investigações de Bond dentro da Inglaterra, já que ele não tem carta branca pra trabalhar com contra-espionagem. Nisso, 007 é até importunado pelo MI5. Fora de Londres, Bond tem “Carta Branca” para agir da maneira que julgar necessário. No caminho, ele passa pela Sérvia, Londres e Cidade do Cabo, entre outros cantos. Não irei comentar aqui como acaba a história e do que se trata o ataque, para não estragar a surpresa, é claro.

Dentro da história existe uma sub-trama em que Bond investiga a morte de seus pais, Monique e Andrew, em um contexto bem moderno. Muito legal. E claro, existem Bond Girls espalhadas pelo caminho, e 007 não perde tempo.

Conclusão

Livro muito interessante, como fã, ficaria feliz se virasse filme. Existem cenas de ação muito interessantes. Bom humor, tecnologia, carros rápidos e surpresas fazem parte da trama, digna da série Bond. Algumas licenças eu não gostei, como a troca de carros e armas, mas outras modernizações foram muito bem-vindas na minha visão. Eu daria nota 4.5/5. É leitura obrigatória para todos os fãs do agente secreto.”

Por Tiago Bertasso. █

Sobre o Autor

Avatar

Criador e editor do site James Bond Brasil, Marcos Kontze é jornalista e fã do personagem há 22 anos, desde o lançamento do game "GoldenEye 007" para Nintendo 64 em 1997. Para Marketto (como também é conhecido), o melhor filme da série é "007 - O Mundo Não É O Bastante", o primeiro que assistiu no cinema...sete vezes.

Translate »