Diamonds Are Forever é o quarto livro sobre o agente secreto britânico James Bond. Escrito por Ian Fleming, foi publicado em 1956 e lançado originalmente no Brasil pela Editora Civilização Brasileira em 1965 como Os Diamantes São Eternos, e em 1999 pela Editora L&PM.

A história do livro é centrada na investigação de James Bond em uma operação de contrabando de diamantes. Plano criado por uma rede que tem início nas minas de diamantes da Serra Leoa e termina em Las Vegas. Ao longo da trama, Bond conhece um dos membros da quadrilha de contrabando, a bela Tiffany Case.

Segundo Eduardo Torelli, autor do livro “Sexo, Glamour & Balas”, o livro Diamonds Are Forever desviou Bond da rota que o personagem vinha seguindo até Moonraker e representou uma espécie de anticlímax na série literária. Desta vez, saíram de cena os agentes soviéticos e terroristas internacionais, e deram lugar a uma quadrilha de traficantes de pedras preciosas. Grande parte das pesquisas realizadas para este livro foi usada também por Ian Fleming para o livro de não-ficção The Diamond Smugglers, que foi publicado em 1957.

Torelli também comenta em seu livro que a arrogância de James Bond neste livro e em algumas aventuras seguintes quase sempre o colocam em maus lençóis, contrariando seu senso de “dever”. A insolência de Bond também contraria sua experiência como jogador, já que normalmente manifesta-se quando ele está em desvantagem. Ao agir desse modo, Bond parece ser motivado pelo mero desejo de chocar ou provocar uma resposta emocional no inimigo.

Diamonds Are Forever foi levado para o cinema em 1971 com o filme 007 – Os Diamantes São Eternos, último estrelado pelo ator Sean Connery na pele de James Bond.

Translate »