Um nome que ficará marcado na lembrança de James Bond. O nome de um homem que não se importa com nada a não ser com a própria loucura pelo poder, cuja riqueza só é superada pela ambição, e que não vai parar até destruir o coração da Grã-Bretanha.

Uma bárbara execução nos arredores de Paris desencadeia uma série de acontecimentos que ameaça a paz mundial: o tráfico de drogas na Grã-Bretanha dos anos 1960, um avião de passageiros que desaparece sobre o espaço aéreo iraquiano e um conflito bélico iminente no Oriente Médio.

James Bond contará com uma cúmplice pouco confiável: a sedutora parisiense Scarlett Papava. Ela precisará de sua ajuda para enfrentar o adversário mais perigoso até então – a verdadeiro essência do mal.

A Essência do Mal foi publicado pela editora Penguin Books no Reino Unido em 28 de maio de 2008, centenário do nascimento de Ian Fleming, o criador de James Bond. A história se centra na investigação de Bond sobre o Dr. Julius Gorner, um químico megalomâniaco com um enorme ódio pela Inglaterra.

Faulks escreveu o livro seguindo o estilo de Fleming, tanto que na capa do livro está escrito: “Assinando como Ian Fleming”. O autor também escreveu a trama de A Essência do Mal na mesma época dos livros originais, seguindo os eventos do último livro escrito por Ian Fleming antes de sua morte, The Man With the Golden Gun. Ele ignorou a influência de outros autores que interpretaram o personagem e dos filmes, produzindo uma caracterização de Bond ao estilo da de Fleming.

A Essência do Mal foi bem recebido pela crítica e entrou nas listas de mais vendidos uma semana após seu lançamento, vendendo 44.093 cópias em quatro dias para se tornar o livro de ficção mais vendido atrás dos livros da série “Harry Potter”. Faulks afirmou que, apesar de ter gostado muito de ter escrito o livro, ele não escreveria mais nenhum romance de Bond.